quinta-feira, 24 de março de 2016

Fome e sede da Palavra de Deus

“Dias virão, diz o Senhor Deus, em que enviarei fome sobre a terra, não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. Andarão de mar a mar, e do Norte até o Oriente; correrão por toda parte, buscando a palavra do Senhor, e não a acharão.” (Amós 8.11,12)

O profeta Amós descreve o julgamento de Deus que viria sobre Israel, que se tornou uma nação que desrespeitava e desconsiderava o ser humano (Am 2.6),  promovia a injustiça e a imoralidade social (Am 2.7,8), as solenidades religiosas se tornaram desprezíveis (Am 5.21-23), pois se tratavam apenas de um formalismo religioso e não um encontro com Deus e sua Palavra. O amor ao lucro tinha tomado o lugar do amor a Deus e o amor a honestidade (Am 8.5,6).

Uma das expressões do julgamento de Deus é a retirada da Sua Palavra do meio do povo (Am 8.11,12). Embora procurassem a Palavra não encontraria mais. O apóstolo Paulo descreve em sua carta que essa é uma das características dos últimos dias: “que estão sempre aprendendo, mas nunca podem chegar ao pleno conhecimento da verdade. [...] São homens de entendimento corrompido  e reprovado na fé.” (2 Tm 3.7,8b) Neste domingo quando as Igrejas Batistas celebram o dia da Bíblia. Somos convidados a fazer um autoexame. As perguntas a seguir podem nos ajudar nesta reflexão: Tenho valorizado a Bíblia como palavra de Deus? Ela é a fonte de autoridade para nortear minhas atitudes? Tenho prazer no trabalho, no entretenimento, mas não tenho prazer em meditar na Palavra de Deus?

O conselho de Paulo a Timóteo foi: “Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido; pois desde a infância sabes as Sagradas Letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender para corrigir, para instruir em justiça; a fim de que o homem de Deus tenha capacidade e pleno preparo para realizar toda boa obra.” (2 Tm 3.14-17).

Somos desafiados neste tempo em que a verdade está sendo relativizada e o pecado e a injustiça tem proliferado, a perseveramos na Palavra de Deus. Somos realizados quando o nosso prazer está na Palavra de Deus: “Bem aventurado aquele que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta a roda dos zombadores; pelo contrario, seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita dia e noite.” (Sl 1.1,2)

Pr. Diêgo
Texto publicado no boletim da PIB Ibirité dia 13 de dezembro de 2015